USP deixa de ser melhor universidade brasileira

 UFRJ chega ao topo em ranking de Melhor Universidade do Brasil

(Blog do Rafael Oliveira - RJ) Segundo o RUF, foram avaliadas 195 universidades de todo o País e a UFRJ conseguiu 97,46 pontos, 0,43% a mais que a USP. Os fatores avaliados são pesquisa, mercado, ensino, inovação e internacionalização.

O Ranking Universitário (RUF) publicado pelo jornal paulista Folha de São Paulo, foi publicado na última semana e os leitores puderam reparar que pela primeira vez a Universidade de São Paulo (USP) não está mais em primeiro lugar. A USP perdeu o posto de melhor universidade e de cursos para a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).


 Tudo indica que a instituição fluminense soube capitalizar os recursos do pré-sal para financiar ascensão sólida na qualidade. Pela metodologia do levantamento, avaliam-se cinco quesitos: ensino, pesquisa, mercado de trabalho, inovação e internacionalização. - Define o jornal paulistano.

Apesar dos baixos investimentos federais na universidade carioca e o fato da instituição viver por recursos próprios, a Folha considera a UFRJ uma faculdade inovadora e que em breve poderá também passar a USP também nos rankings internacionais por esse quesito. Ano passado, a USP tinha 40 dos melhores cursos do país, hoje possui apenas 9, atrás até mesmo da UNICAMP.

http://maringa.odiario.com/geral/2016/09/para-conselho-de-educacao-ruf-e-uma-das-principais-avaliacoes-do-pais/2242965/
USP perde a liderança em ranking universitário pela primeira vez - InfoMoney
Veja mais em: http://www.infomoney.com.br/carreira/educacao/noticia/5552068/usp-perde-lideranca-ranking-universitario-pela-primeira-vez
http://maringa.odiario.com/geral/2016/09/para-conselho-de-educacao-ruf-e-uma-das-principais-avaliacoes-do-pais/2242965/
Segundo o Conselho Nacional de Educação, o RUF é o melhor sistema avaliativo do ensino superior do Brasil. A USP afirmou que não vai se pronunciar sobre os resultados.

Fim da Paralimpíada


Sucesso de Encerramento das Paralimpíadas


http://i.dailymail.co.uk/i/pix/2012/09/09/article-2200650-14EE37B8000005DC-319_964x628.jpg
O Rio se despediu neste domingo de seus surpreendentes e bem sucedidos Jogos Paralímpicos com festa e música, mas enlutados pela morte de um ciclista iraniano no penúltimo dia de competição.

O Maracanã voltou a ficar lotado, com os paratletas sentados no gramado enquanto os fogos de artifício anunciavam o início do adeus.

Entre os primeiros artistas a se apresentar estava Johnathan Bastos, um brasileiro que nasceu sem braços, o que não o impediu de se transformar num reconhecido músico. Ele interpretou um incrível solo de violão com os pés.

Depois foi a vez de Ricardinho, astro da seleção brasileira de futebol de 5 para deficientes visuais, que fez o Maracanã ficar de pé portando a bandeira nacional.

E, como na abertura, também houve tempo para a polêmica. Desta vez foi um músico da banda Nação Zumbi, que mostrou para as câmeras a parte de trás de seu violão onde se lia a frase "Fora Temer".

Além disso, a despedida paralímpica, com que o Brasil põe fim ao ciclo de grandes eventos realizados nos últimos anos, não foi só festa.

No sábado, o atleta iraniano Bahman Golbarnezhad, de 48 anos, faleceu durante a prova de ciclismo de estrada, manchando com o luto o final dos Jogos.

O primeiro falecimento registrado durante Jogos Paralímpicos deixou o movimento "unido na dor", segundo descrição do presidente do Comitê Internacional (CPI), Philip Craven, durante seu discurso.

No domingo podia ver-se a meio mastro tanto a bandeiro Paralímpica como a iraniana, enquanto a cerimônia respeitou um minuto de silêncio em homenagem ao atleta falecido.

Como nos Jogos de Londres-2012, a China foi a grande vencedora no Rio com 239 medalhas (107 de ouro), muito à frente de Grã-Bretanha, Ucrânia, Estados Unidos e Austrália, que completaram o top 5. Apesar de bater o recorde pessoal de medalhas, o Brasil terminou na oitava colocação, longe da meta de ficar entre os cinco maiores países paralímpicos.

Nesta edição dos Jogos foram batidos 103 recordes mundiais, diminuindo ainda mais a fronteira entre o olimpismo e o paralimpismo. 



A exemplo da cerimônia de abertura dos jogos, a chuva marcou presença e espantou muitos atletas, que assistiam às apresentações musicais e se escondiam nos acessos ao gramado. Mesmo com chuva, um grupo de vários países continuou firme e assistiu a todas as apresentações na frente do palco.
No fim, a chama paralímpica foi apagada simbolicamente por 300 cataventos, ao som de A Paz, de Gilberto Gil, cantada por Ivete Sangalo. A chama se apagou, colocando um ponto final em uma celebração única da vida e do esporte em solo brasileiro. Foram 12 dias que mostraram novos esportes ao brasileiro e, sobretudo, mostrou os brasileiros ao mundo. Agora, a chama só será acesa em Tóquio, em 2020.

Destino da Pira Olímpica 2016

Pira Olímpica sairá do estádio do Maracanã para museu



Resultado de imagem para pira olimpicaA cerimônia de encerramento da Paralimpíada, no próximo domingo, no Maracanã, abrirá caminho para a pergunta: o que vai acontecer com a hipnotizante escultura metálica concebida pelo artista plástico americano Anthony Howe, que encantou multidões desde que foi acesa pela primeira vez, no dia 5 de agosto, na cerimônia de abertura da Olimpíada? Seu destino está selado: ficará por um tempo, ainda indeterminado, encaixotada num depósito do Comitê Rio-2016. A ideia é que a peça vire uma das principais atrações do futuro museu temático que o Comitê Olímpico do Brasil (COB) promete inaugurar junto com sua nova sede, até o fim de 2017, na Barra. As obras, no entanto, ainda não começaram.
O Comitê Organizador explicou que, antes da transferência da pira para o COB, será preciso cumprir algumas formalidades burocráticas. A principal delas será a alteração juntos aos órgãos federais da condição de como ela foi trazida para o Brasil. Isso porque a ideia inicial se tratava de uma importação provisória e, agora, a escultura ficará definitivamente no país.
PAES: "PIRA NÃO VALE NADA"
ADVERTISEMENT
Por sua vez, a pira em menor escala, encomendada pela prefeitura e instalada na Zona Portuária, vai permanecer após a Paralimpíada, no mesmo local. Mas, obviamente, apagada. O curioso é que, apesar de a escultura do Maracanã sempre ter sido de propriedade do Comitê Rio-2016, o prefeito Eduardo Paes chegou a cogitar levá-la para o Parque Madureira, como uma espécie de memória do evento. Ontem, Paes disse que a escultura no Maracanã não teria a mesma qualidade que a réplica adquirida pela prefeitura:
— A pira do Maracanã não vale nada. Eu estava crente que ela era do mesmo material da pira do Porto. Mas é de um material que vai acabar — disse o prefeito.

Resultado de imagem para pira olimpicaNa realidade, as duas esculturas foram concebidas para propostas diferentes: um ambiente mais protegido (um estádio de futebol) e outro onde a obra de arte ficaria exposta numa via pública permanentemente, sob os efeitos do calor e da chuva. Mas ambas começaram a ser fabricadas pelo mesmo processo. As esculturas originais foram desenhadas em computador já planejadas para ter três dimensões.
A pira da Zona Portuária tem sete metros de altura (incluindo a base) e três metros de diâmetro (a escultura). Foi projetada para suportar rajadas de até 150 quilômetros por hora. Internamente, funciona como uma espécie de “catavento”, que roda toda vez que há uma brisa, por mais leve que seja. Por sua vez, a pira do Maracanã, que é quatro vezes maior que a da Zona Portuária, usa recursos tecnológicos (não detalhados pelo Comitê Rio-2016) que fazem com que a estrutura comece a rodar com o calor das chamas. Essa pira maior pesa 1.815 quilos e resiste a ventos de 90 quilômetros por hora.

Público de Paralimpíada bate recorde mundial

Resultado de imagem para paralimpíadaParalimpíada do Rio registra o segundo maior público da História 


(Blog do Rafael Oliveira - 16 de Setembro de 2016) O Parque Olímpico registrou mais de 167 mil visitantes neste último sábado, o que representa o maior público desde o início da Rio-2016. Até então, o recorde era mantido pelos Jogos Olímpicos, que levaram 157 mil pessoas ao principal espaço de competição em seu dia mais movimentado.

No total, a Paralimpíada do Rio já é a segunda mais frequentada da História dos Jogos. Foram vendidos cerca de 1,8 milhão de ingressos até agora, uma marca superior à de Pequim-2008 (1,7 milhão), nação mais populosa do mundo. Até o momento, a Paralimpíada de 2012 (em Londres) segue como a mais bem-sucedida em termos de público (2,8 milhões de ingressos vendidos). A organização da Rio-2016 espera que o número chegue a 2,4 milhões até o fim do evento.

Parque Olímpico da Barra pós 2016

Parque Olímpico será reaberto parcialmente no fim do ano


Parque Olímpico, na Barra da Tijuca, voltou a funcionar na última sena com as competições da Paralimpíada do Rio. Mas a contagem regressiva para reabrir pelo menos uma parte da área como parque público já começou. Uma área que hoje serve de espaço de circulação comum entre as arenas (conhecida como Via Olímpica) será reaberta em dezembro, repaginada. O espaço receberá mil mudas de árvores, bicicletários, quadras poliesportivas e um monumento em homenagem aos atletas que ganharam medalhas na Rio 2016. A reforma vai custar R$ 2,5 milhões e será bancada pela prefeitura.
O projeto faz parte do programa de legado do evento. Com o fim da Paralimpíada, a área de 1,1 milhão de metros quadrados será desmembrada. Desse total, 600 mil metros quadrados ficarão com a iniciativa privada. Os outros 500 mil metros, que incluem cinco arenas permanentes, permanecerão públicos e serão reabertos por fases. A reativação das arenas depende da conclusão de uma parceria público-privada, ainda em licitação.

— A Via Olímpica já tem toda a infraestrutura necessária para receber os equipamentos públicos. Não tem sentido deixá-la fechada por muito tempo. Vamos entregá-la ao público em dezembro — disse o secretário municipal de Conservação, Marcus Belchior.
A prefeitura ainda está acertando alguns detalhes, como os horários de funcionamento. A transição para a nova fase começa no dia 19 deste mês (a Paralimpíada termina na véspera), quando a Guarda Municipal passa a tomar conta da parte pública do complexo. Na nova configuração, a Via Olímpica será dividida em cinco áreas. O trecho mais próximo da Avenida Embaixador Abelardo Bueno — que hoje serve de acesso para o público e os voluntários — será rebatizado como Praça de Chegada. Ali ficará o chamado Muro dos Campeões (vizinho ao estádio de tênis e à Arena Carioca 1), num formato que remeterá ao traçado do calçadão de Copacabana. Nesse monumento, estarão gravados os nomes de todos os atletas que conquistaram medalhas no Rio. Olimpíadas anteriores também tiveram seu Muro dos Campeões.
PRACINHA COM MESA DE JOGOS
Um outro trecho do Parque Olímpico será chamado de Área Esportiva. Ficará num ponto onde a TV Globo e o SporTV montaram estúdios de onde os principais programas jornalísticos das emissoras foram apresentados durante a Rio 2016. Ali, serão construídas duas quadras poliesportivas, em concreto, de 30m x 15m, além de um campo de grama sintética, com 80 metros quadrados. Nesse espaço, também será instalada uma pracinha, com mesas de jogos, food trucks e banheiros.
Uma terceira parte, localizada nas imediações da Arena Carioca 3, será convertida em parque infantil, com brinquedos adaptados. Um quarto espaço será voltado para usuários mais jovens e foi batizado de Contemplação Teen. Haverá equipamentos esportivos, inclusive mesas de pingue-pongue.
Uma quinta área do Parque Olímpico, localizada mais próximo à Lagoa de Jacarepaguá, ficará onde, durante a Olimpíada, havia telões para o público acompanhar as competições. A estrutura atual, com uma cobertura metálica, será mantida, mas, na nova fase, o lugar será destinado a shows. A prefeitura também vai instalar mesas para piqueniques, equipamentos de ginástica, sanitários e construir uma pista de skate.


Arca de Noé é nova atração da Zona Portuária

Réplica de Arca de Noé no Rio de JaneiroResultado de imagem para ARk OF NOAH rio de janeiro

O mais novo point do Rio de Janeiro é a região portuária da cidade, antes um espaço abandonado e marginalizado, hoje é um dos lugares mais queridos pelos cariocas e turistas. Em Agosto recebeu o Boulevard Olímpico, nessa semana recebe mais uma vez o espaço olímpico favorito dos turistas e em Novembro receberá o AquaRio, o maior aquário da América Latina, mas enquanto o aquário não chega e ao final das paralimpíadas, o carioca poderá aproveitar a maior réplica da Arca de Noé da história.

A réplica da segue todas as orientações conforme citada na Bíblia, com  23 metros de altura e 35 mil m² de área. Por enquanto, a arca está no porto de Dordrecht, Holanda e ancorará na Praça XV em setembro.

http://arkofnoah.org/wp-content/uploads/2016/03/IMG_2751-ARK-van-NOACH-1.jpg
A arca tem cinco andares, pode receber até cinco mil pessoas por vez e terá como atrações a exibição de animais artificiais, cinema e até restaurante. Será uma experiência interativa nas histórias bíblicas da criação do mundo e da maior inundação da história do planeta. No fim do passeio cada família ganhará uma Bíblia em português e inglês.

O Rio de Janeiro será a primeira cidade fora da Holanda a receber o museu itinerante. A arca ficará dois anos no Brasil e passará ainda por Fortaleza, Manaus, Belém, Recife, Salvador, Vitoria, Santos-Guarujá, Florianópolis e Porto Alegre.

Abaixo está o teaser do projeto:

Extensão da BGS no Rio

Brasil Game Show ganhará 'extensão' no Rio de Janeiro em 2017

http://s.glbimg.com/po/tt/f/original/2013/08/28/bgs-5.jpg(Blog do Rafael Oliveira -  11 de Setembro de 2016) A Brasil Game Show foi realizada pela primeira vez em 21de junho de 2009, no Rio de Janeiro, sob o título Rio Game Show, e teve um público aproximado de 4 mil participantes. Em 2011, a feira já recebia 60 mil pessoas. Em 2012, o evento carioca passou a ser realizado em São Paulo, recebendo brasileiros do país inteiro, incluindo muitos do Rio.

Em 2017, os cariocas poderão voltar a sentir a BGS aqui pertinho. O evento ainda continuará em São Paulo, mas receberá uma extensão no Rio.

http://conquista.blog.br/wp-content/uploads/2015/10/bgs.jpgMarcelo Tavares, diretor da BGS, fez o anúncio oficial na semana passada. O empresário carioca disse que essa “extensão” se chamará Brasil Game Cup Rio 2017, onde o foco será maior em e-sports.

O campeonato já é realizado anualmente dentro da BGS, ganhando agora uma edição extra e organizada paralelamente à BGS e à BGC de São Paulo. O evento será realizado entre 7 e 9 de abril no Centro de Convenções Sulamérica.

Os jogos que participarão da BGC Rio 2017 não foram divulgados, mas Tavares adiantou que o evento terá também espaço para estandes, exposição de games independentes e outras atrações conhecidas da BGS, embora em uma versão consideravelmente menor. Mais novidades em breve.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Curta o nosso site com o facebook e Google+